fbpx

A ciência acaba de encontrar “neurônios da frustração” no cérebro, e a descoberta pode ajudar a explicar por que desistimos.

Poucas coisas esmagam o espírito como a sensação de desistir. Todos nós conhecemos o sentimento – quando você achava que um objetivo estava ao alcance e aí percebe que você não tem o suficiente para chegar lá.

Mas e se você descobrisse que esse sentimento de esgotamento é realmente apenas mais uma coisa que nosso cérebro faz para manter sua sinfonia química em sintonia?

Essa é a conclusão de um novo estudo em ratos focado em como o cérebro promove motivação em busca de recompensas, e o outro lado – quando a recompensa está fora de alcance.

A neurociência já tem uma boa noção do que acontece quando estamos empolgados em buscar uma “recompensa”. Quer seja algo tangível como dinheiro, comida ou sexo, ou mais abstrato como amor ou poder, um padrão químico semelhante ocorre no cérebro. O neurotransmissor dopamina inunda as vias neurais no que é frequentemente chamado de “centro de recompensa” do cérebro. Essa é a dinâmica bioquímica que nos impulsiona, e não é exagero dizer que isso é fundamental para o motivo pelo qual buscamos qualquer coisa.

Mas os cérebros são instrumentos de equilíbrio e, como se vê, os mamíferos têm outro sistema que exerce uma força restritiva no aumento da recompensa, chamado de sistema modulador de nocicepção (que também é fundamental para o modo como o cérebro modula a dor). Os neurônios deste sistema (apelidados de “neurônios da frustração”) emitem moléculas chamadas nociceptina que suprimem a dopamina. Com efeito, a nocicpetina é anti-dopamina.

Pesquisadores descobriram como isso funciona, observando camundongos à procura de açúcar escondido em um pequeno porto. Para pegar o açúcar, eles tiveram que meter o focinho e lamber. Os pesquisadores tornaram fácil, a princípio, estimular mais motivação para obter as recompensas, mas a cada tentativa eles tornavam um pouco mais difícil para os ratos terem sucesso. Depois de fazer isso com tanta força que os camundongos cutucavam seus focinhos repetidamente e ainda não conseguiam provar, eles finalmente começaram a desistir. Eventualmente todos eles pararam de tentar.

Enquanto isso acontecia, os pesquisadores estavam rastreando a atividade neural dos roedores e descobriram que os neurônios da nocicepetina estavam mais ativos quando os ratos desistiam. É interessante notar que esses neurônios estão localizados perto da área tegmental ventral (ATV) do cérebro, o centro de atividade no centro de recompensas, e a proximidade fornece acesso fácil para os intervalos.

“A grande descoberta é que grandes neurotransmissores complexos, conhecidos como neuropeptídeos, têm um efeito muito forte no comportamento animal, agindo na ATV”, disse o co-autor principal Christian Pedersen, um estudante de Ph.D. em bioengenharia da Faculdade de Medicina da Universidade de Washington.

A razão dessa interação entre aumento de recompensa e supressão de recompensa se resume à tendência do cérebro para a estabilidade e equilíbrio, também conhecido como homeostase. Os cérebros dos mamíferos têm mecanismos embutidos para impedir que a recompensa vá longe demais em qualquer direção. Na natureza, continuar a se envolver em comportamentos arriscados de busca de recompensas quando o sucesso está fora de alcance pode resultar em ferimentos ou morte, então, provavelmente, herdamos esse ato de equilíbrio químico como um mecanismo de sobrevivência evoluído.

Transtornos como depressão e dependência podem se desenvolver a partir desses sistemas regulatórios que não funcionam bem por várias razões. Os pesquisadores acreditam que o estudo mais recente pode ajudar a esclarecer mais sobre esses e outros distúrbios e levar ao desenvolvimento de novas intervenções químicas para ajudar a restaurar o equilíbrio. Isso exigirá mais replicação em humanos, é claro, mas esta pesquisa é um forte ponto de partida.

“Podemos pensar em diferentes cenários onde as pessoas não são motivadas como na depressão e bloquear esses neurônios e receptores para ajudá-los a se sentirem melhor”, disse o autor sênior do estudo Michael Bruchas, professor de anestesiologia, medicina da dor e farmacologia na Faculdade de Medicina da Universidade de Washington. “Isso é o que é poderoso sobre a descoberta dessas células. As doenças neuropsiquiátricas que causam impacto na motivação podem ser melhoradas.”

Por enquanto, o valor da descoberta poderia ser mais direto – simplesmente por saber que desistir depois de se esforçar não é uma falha de caráter ou falha moral, é apenas outra maneira pela qual o cérebro mantém as coisas niveladas.

 

Você também pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *