fbpx

NeuroGames ajudam pacientes com câncer a reverter o declínio cognitivo.

4306147303_e41c8dff2d_bNovo estudo importante sobre o déficit cognitivo relacionado ao câncer – muitas vezes chamado de “chemobrain” – foi recentemente publicado no Journal of Clinical Oncology. No estudo, os sobreviventes de câncer foram capazes de reverter os sintomas do dano cognitivo, em suas próprias casas, ao adicionar exercícios computadorizados para o cérebro como parte do tratamento. Os participantes do estudo que usaram esses exercícios relataram menor prejuízo cognitivo, estresse, fadiga e ansiedade/depressão imediatamente após o treinamento e seis meses depois. Esta é a primeira vez que um estudo demonstrou que uma intervenção prática é eficaz contra o comprometimento cognitivo relacionado com o câncer.

Perguntas frequentes (FAQ) sobre o estudo – elaborado e divulgado pela Posit Science™:

1. O que é Chemobrain (ou Declínio Cognitivo Relacionado ao Câncer)?

Na década de 1980, os grupos de apoio aos sobreviventes de câncer de mama começaram a chamar a atenção para diferentes tipos de comprometimento cognitivo, como um efeito adverso

quimioterapia que persistiu mesmo após o termino do tratamento. Inicialmente, essa condição era chamada de “chemobrain” ou “chemofog”. Na década de 1990, a condição passou a ser chamada de “declínio cognitivo” relacionado ao câncer ou “induzido pelo câncer” . Usamos portanto o termo “declínio cognitivo relacionado ao câncer”.

2. O que causa o Declínio Cognitivo Relacionado ao Câncer (DCRC)?

Existe discordância entre especialistas quanto à sua causa (ou causas): o câncer em si, o tratamento do câncer, o estresse relacionado à condição do paciente, e disfunção inflamatória. Existe um crescente consenso de que a condição pode surgir de múltiplas causas.

3. Qual a prevalência, persistência e severidade DCRC?

As estimativas variam de 10 a 40% dos sobreviventes de câncer em geral e até

70% dos pacientes tratados com quimioterapia. A pesquisa indica que os sintomas podem persistir por 10 ou mais anos. Efeitos (assim como com outras formas de comprometimento cognitivo) podem interferir na manutenção da capacidade de trabalho, relacionamentos, qualidade de vida e independência no cotidiano. Milhões de pacientes recebem quimioterapia a cada ano e, globalmente, há mais de 35 milhões de pessoas com mais de cinco anos de câncer.

Isto sugere que entre 3,5 milhões e 14 milhões de pessoas,

4. Qual é o desenho deste estudo?

O estudo foi desenvolvido como um estudo pragmático, longitudinal. Os ensaios “pragmáticos” foram concebidos para avaliar a eficácia das intervenções em condições “reais”. Aqui, o estudo foi concebido para alcançar resultados em casa, usando avaliações e treinamentos que poderiam ser realizados sem supervisão direta. Os participantes do estudo foram randomizados para um grupo de intervenção. Antes da randomização, todos os indivíduos participaram de um estudo de 30 dias, através de consultas minuciosas em que descreviam suas estratégias para combater o declínio cognitivo. O grupo controle (121 participantes) recebeu cuidados-padrão de profissionais de saúde. O grupo que sofreu a intervenção (121 participantes) também recebeu tratamento padrão, e foi solicitado a completar 40 horas de exercícios cerebrais durante o curso de 15 semanas (40 minutos por sessão, 4 vezes por semana). Cada participante foi medido no início do estudo, após 15 semanas e seis meses depois.

5. Quem participou neste estudo?

Os pesquisadores recrutaram adultos sobreviventes de câncer, através de 18 sites australianos,

que tinham sido tratados por uma doença primária (não-CNS) maligno, que tinham completado pelo menos três ciclos de quimioterapia nos anteriores, e que relataram sintomas cognitivos persistentes. Os participantes precisavam ser fluentes em inglês e ter acesso a um computador e à Internet. Dos participantes, 95% eram do sexo feminino com idade média de 53 (com uma faixa etária de 23 a 74). Cerca de 89% tinham câncer de mama, 5% tinham câncer colorretal, e o restante com outros tipos de cânceres.

6. Quem dirigiu este estudo?

Pesquisadores do Survivorship Research Group, da Universidade de Sydney (Austrália) organizaram e relataram o estudo. Os autores do estudo são:

Victoria J. Bray, Universidade de Sydney; Hospital de Liverpool – primeiro autor

Haryana M. Dhillon, Universidade de Sydney

Melanie L. Bell, Universidade de Sydney; Universidade do Arizona

Michael Kabourakis, Universidade de Sydney

Mallorie H. Fiero, Universidade do Arizona

Desmond Yip, Universidade Nacional Australiana

Frances Boyle, Universidade de Sydney;

Patricia Ritchie, Centro de Cuidados e Pesquisa do Câncer

Melanie A. Price, Universidade de Sydney

Janette L. Vardy, Universidade de Sydney – autor sênior

7.Quem pagou por este estudo?

O financiamento e apoio foram fornecidos por: Cancer Council New South País de Gales, Fundação Amigos da Mater, Instituto do Câncer Nova Gales do Sul Clinical Fellowship (V.J. Bray), uma Sociedade de Oncologia Clínica da Austrália / Roche Hematology Oncology Targeted Terapias Fellowship (V.J. Bray.), Pfizer Cancer Research Grant (V.J. Bray), e pelo National Breast Cancer Fundação (J.L. Var)

8. O que o estudo mostrou?

O estudo teve muitas medidas de resultado. A principal questão do estudo era se o uso desses exercícios computadorizados proporcionava a diminuição da experiência de um paciente com alterações cognitivas negativas. Os exercícios tiveram esse efeito.

9. Qual foi seu resultado primário?

A medida de resultado primária a priori para este estudo foi auto-relatada Função Cognitiva, conforme avaliado pelo questionário FACT-COG, Insuficiência Cognitiva (PCI). O resultado primário foi o FACT-COG PCI pontuação, medida imediatamente após o treinamento. Os pesquisadores relataram que o grupo que obteve a intervenção, em comparação ao grupo controle, relataram um desempenho significativamente melhor nesta medida (a medida de resultado primária: FACT-COG PCI) imediatamente após a intervenção (p <0,0001) e seis meses depois (P < 0,0002).

10. Quais foram os resultados secundários do estudo?

O estudo estabeleceu uma série de medidas de desfecho secundário. A principal medida de desfecho secundário foi a função neuropsicológica, através da plataforma Cogstate (uma bateria computadorizada de 18 minutos que pode ser baixada e também autoadministrada em casa). As outras medidas de resultado secundárias foram amplamente utilizadas e validadas com questionários de auto-avaliação, incluindo: ansiedade e depressão (questionário de saúde geral com 12 itens), qualidade de vida (FACT-General), fadiga (FACT-Fadiga subescala) e estresse (14 itens – Escala de Stress Percebida). As outras subescalas (não PCI) do FACT-COG também foram usadas como medidas secundárias. A avaliação neuropsicológica computadorizada (Cogstate) não mostrou diferença de grupo após o treinamento ou seis meses depois. O grupo de intervenção teve desempenho significativamente melhor na maioria das medidas secundárias, incluindo a medida de estresse logo após intervenção e após seis meses; as medidas de fadiga e ansiedade / depressão após o treino e com tendência de melhor desempenho em seis meses; sobre a qualidade de vida, após seis meses, mas não imediatamente após o treinamento; e em todas as medidas, através das subescalas de FACTCOG após intervenção, mas apenas em alguns após seis meses.

11. Quais foram os exercícios cerebrais utilizados neste estudo?

O grupo de intervenção utilizou cinco níveis de velocidades visuais dos exercícios de processamento desenvolvidos pela Posit Science, e comercialmente disponíveis como parte do programa on-line BrainHQ, que a NeuroForma disponibiliza no Brasil e países de Língua Portuguesa. Os exercícios utilizados foram:

Dupla Decisão

Olho de Águia

Ondas Visuais

Foco nos Detalhes

Olho Vivo

Esses exercícios representam o conjunto básico dos jogos de processamento visual da plataforma on-line BrainHQ, que ainda inclui o exercício Decisão Dupla, visando ao aprimoramento da velocidade e precisão da percepção visual (que é frequentemente referida no meio neurocientífico como “UFOV® training” ou “speed training” / treino de velocidade UFOV®). Mais especificamente, esses exercícios visam melhorar a velocidade de processamento visual, foco, atenção seletiva, atenção dividida, memória de trabalho, precisão, acuidade, campo de busca, campo de visão útil, atenção periférica e central, direção e rastreamento de objetos múltiplos.

12. Quais foram os níveis de uso dos exercícios no estudo?

Os pacientes do grupo que obteve a intervenção foram convidados a completar 40 horas de treinamento. Níveis de uso dos exercícios cerebrais variados pelo paciente, com média de uso de 25,08 horas (e um intervalo de 0,19 a 55,82 horas). Cerca de 14% dos pacientes começou e os 86% restantes fizeram pouco mais de 34 horas de média.

13. Quais são as conclusões dos autores?

Os autores concluem: “pesquisas anteriores mostraram ser viável a reabilitação cognitiva, com evidências preliminares de eficácia. Nosso grande RCT [Ensaio Controlado Aleatório] acrescenta peso a esta evidência, confirmando que a prática dos exercícios de velocidade de processamento visual levou a uma melhoria nos sintomas cognitivos. Importante, também houve melhorias no PRO [resultados relatados pelos pacientes], incluindo QV [qualidade de vida] e estresse, fadiga e ansiedade / depressão. O programa tem vantagens de ser relativamente barato e pode ser executado em casa (basta um computador conectado à Internet),sendo que os indivíduos podem dirigir seu próprio tratamento. O programa tem o potencial de se uma nova opção de tratamento para pacientes com sintomas de câncer, onde anteriormente não existiam”.

14. Como isso se encaixa com a literatura científica anterior?

Este estudo amplia o trabalho relatado em 2012 no documento “Treinamento Cognitivo Avançado para sobreviventes de câncer de mama: um estudo randomizado controlado”, publicado na revista Breast Cancer Research. O principal autor Anterior foi a Dra. Diane Von Ah, e nos referimos a esse estudo anterior abaixo como o “estudo Von Ah”. O estudo de Von Ah analisou 82 sobreviventes de câncer de mama, randomizados em três grupos. O primeiro grupo usou os mesmos cinco exercícios de velocidade de processamento presentes na plataforma on-line BrainHQ; o segundo grupo utilizou um programa de treinamento da memória que ensinava estratégias de lembranças; e um terceiro foi um grupo controle de lista de espera. Cada intervenção foi administrada aos grupos em 10 sessões de uma hora, completadas ao longo de 6-8 semanas. As avaliações dos resultados primários foram profissionalmente administradas. Testes neuropsicológicos com objetivos de mensurar as capacidades de memória e velocidade de processamento. Houve uma série de medidas de resultado secundárias, incluindo: função cognitiva, sintoma aflição (humor, ansiedade, fadiga) qualidade de vida e satisfação com a intervenção. Os dados foram coletados ao longo de 2 meses. Von Ah e colegas descobriram que ambas as intervenções melhoraram significativamente o desempenho cognitivo objetivo relacionado ao domínio (o grupo de treinamento de memória foi significativamente melhor em testes de memória do que o controle. Em relação ao processamento visual o grupo de treinamento de velocidade foi significativamente melhor no teste comparado com o grupo ao controle). No entanto, o grupo de treinamento de velocidade mostrou transferência para de melhorias para a capacidade de memória, após os dois meses de treinamento, que eram ainda maiores do que o grupo de memória. Os resultados do estudo Von Ah levaram a uma nova diretriz na clínica da Oncological Sociedade de Enfermagem recomendando este tipo de treinamento do cérebro (https://www.ons.org/practice-resources/pep/cognitive-impairment). O novo estudo amplia esses resultados, passando a um estudo pragmático, no qual os pacientes foram orientados a fazer uso da intervenção BrainHQ por conta própria, em suas casas. Isso impacto muito as possibilidades de economia, distribuição e administração da intervenção.

Fonte: NeuroForma

Você também pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *