fbpx

Startup desenvolve fones de ouvidos que liberam dopamina

Dentre as curiosas novidades anunciadas na Feira de Eletrônicos em Las Vegas 2016 como o despertador com cheiro (US$ 89) , capacete com visão de raio-x, colar tradutor de línguas (ambos ainda sem preços divulgados, mas com previsão de inicio de comercialização já a partir deste mês de abril), figuraram também um conjunto de fones de ouvido (US$ 299) teoricamente desenvolvidos para te deixar mais feliz.

 

Chamados de Nervana, estes fones foram desenvolvidos por uma startup americana de mesmo nome, sediada na Flórida, com a finalidade de melhorar o humor das pessoas. A ciência por trás desse novo gadget seria a estimulação do nervo vago.

 

O nervo vago vai do tronco cerebral até o abdômen, atingindo todos os órgãos principais, estando também presente em ambos os lados do corpo. Sabe-se que sua estimulação afeta regiões do cérebro que estão repletas de células que liberam dopamina, que, por sua vez, desempenha um papel fundamental nos centros de recompensa e prazer do cérebro, assim como também na regulação do humor e emoção.

 

A startup Nervana afirma que seus fones de ouvido geram pequenos sinais elétricos – em sincronia com a música sendo tocada – que viajam através do canal auditivo e estimulam o nervo vago, estimulando a liberação de dopamina. Eles partem do princípio de que se este neurotransmissor é liberado durante atividades prazerosas, tais como  jogos de azar, ingestão de junk food e atividade sexual, a estimulação proposta por esse aparelho pode fazer faria com que as pessoas experimente semelhante sensação.

Cerebro estimulado 3D

Segundo os fabricantes, há evidências que suportam esse princípio: a estimulação do nervo vago tem apresentado alguns resultados promissores para o tratamento de depressão (vide fonte abaixo), que está relacionada a um desequilíbrio de certos produtos químicos no cérebro, incluindo a dopamina. Mas  até agora, para atingir tal efeito, foi necessário o implante cirúrgico de um dispositivo ao invés de um estímulo externo. Por mais que os desenvolvedores do Nervana sejam profissionais médicos, eles ainda têm que produzir provas de que o dispositivo realmente provoca um aumento nos níveis de dopamina.

 

Embora a empresa afirme que não há qualquer risco de hiperestimulação, fica no ar a questão de a dopamina não ser simplesmente um “hormônio da felicidade” e desempenhar uma variedade de funções, tanto relativas ao movimento, cognição e motivação, além da notória associação aos vícios. Como o produto foi lançado sem ser classificado como dispositivo médico, eles não precisaram de aprovação do FDA  – uma espécie de ANVISA norte-americana.

 

Se ele realmente funciona ou simplesmente age como placebo, os usuários e consumidores do dispositivo é que dirão.

Fonte : (NeuroForma)

Você também pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *